08/02/2016

Sorteio de dois exemplares de 'Ridículas Cartas de Amor', até 08/03


Olá, gente!

É com muita alegria que hoje anuncio o segundo sorteio do blog (EBA!). Estou mais feliz ainda porque esse sorteio será feito em parceria com Marcia Dantas, escritora que admiro muito. Primeiramente, a autora havia enviado um exemplar para que eu lesse, resenhasse e, em seguida, sorteasse aqui no blog, mas depois ela disponibilizou mais um para ser sorteado entre as pessoas que assinasse a sua newsletter, que inclusive tem um conteúdo muito legal e exclusivo. Fiquem ligados nas regras obrigatórias, você precisam seguir todas para poder participar do sorteio, ok? As restantes são só chances extras que vocês irão ganhar. Deixei tudo bem simples. Se quiser conhecer mais o livro, basta ler a resenha.


Sinopse: "Todas as cartas de amor são ridículas." - Álvaro de Campos. Cartas de amor são escritas por todos os apaixonados ao longo do tempo. Sua natureza romântica é muitas vezes considerada cafona, extravagante e risível. Porém, enquanto houver o amor, elas continuarão a ser escritas. Afinal, ridículos são aqueles que não amam. Os talentosos autores da coletânea refletem sobre o lado paradoxal e insensato dos sentimentos profundos da alma, e demonstram, através de uma abordagem inovadora e envolvente, os tão conhecidos contos de amor. Ridículas Cartas de Amor é uma seleção singular de histórias irreverentes, que tiram o cotidiano do lugar-comum e surpreende. Como o amor. [Adicione ao Skoob]

REGRAS OBRIGATÓRIAS
- Seguir o blog Eu e Minha Cultura;
- Curtir a fanpage do blog Eu e Minha Cultura;
- Seguir o blog da autora Marcia Dantas;
- Curtir a fanpage da autora Marcia Dantas; 
- Assinar a newsletter da autora (Diário de uma Escritora Inspirada); Não se esqueçam de confirmar no seu email a sua inscrição, se não encontrar o email de confirmação na caixa de entrada, vá até o lixo/span.
- Comentar nessa postagem informando seu email;
- Seguir o twitter do blog Eu e Minha Cultura.

CHANCES EXTRAS
- Comentar na resenha do livro; Só será aceito comentário relevante. Nada de "quero ler" ou "que legal", tá? Faça um comentário legal, que mostre que você leu a resenha.
- Seguir a autora no twitter
- Tweetar a frase que está na caixa do Rafflecopter (válido apenas uma vez por dia e não mude nada do que está escrito); Após tweetar, vá a sua conta, copie o link e cole na caixinha do rafflecopter, olha o exemplo aí:


Ou abram o tweet e copiem o endereço.

- Compartilhe, publicamente, a imagem do sorteio no facebook;
*As chances extras só serão liberadas se você seguir as regras obrigatórias. 

ATENÇÃO
1. O sorteio começa dia 08/02 e termina dia 08/03; 
2. Os vencedores serão contatados via e-mail e têm cinco dias úteis para respondê-lo; Caso não haja resposta, outro ganhador será escolhido. O resultado do sorteio sairá em uma postagem aqui do blog;
3. Os livros serão enviados para os ganhadores em até um mês depois do encerramento do sorteio;
4. Os dois vencedores irão ganhar um exemplar de Ridículas Cartas de Amor, da autora Marcia Dantas mais um marcador;
5. Os dois ganhadores devem residir em território nacional.

Sei que o formulário pode parecer confuso para quem não é acostumado, portanto qualquer dúvida basta comentar nessa postagem, me enviar um email ou usar o formulário aqui do lado para se comunicar comigo (não se esqueçam de colacar no formulário o seu email, para que eu possa responder). Email para contato: karinaerikads@hotmail.com

Que a sorte sempre estejam a seu favor, um abraço!  

(Resenha de antologia) Ridículas Cartas de Amor - Organizadora Marcia Dantas


Comentando nessa resenha, você ganha mais uma chance extra no sorteio de 2 exemplares desse livro + marcadores que tá rolando até 08/03/2016. Para validar sua participação, preencha o formulário AQUI.  

“Todas as cartas de amor são ridículas, não seriam cartas de amor se não fossem ridículas” 

Tendo o título inspirado no poema de Álvaro de Campos, a antologia Ridículas Cartas de Amor, organizada pela Marcia Dantas, parceira do blog, reúne 12 autores (Mariana Sgambato é uma autora convidada), ou seja, temos 12 contos para nos deliciar. Segundo o que foi dito na apresentação da obra, a idéia central que gerou essa antologia surgiu numa conversa entre a Marcia e sua melhor amiga, Natalia Hanssen. Elas falavam que essa repulsa que algumas pessoas adquirira aos clichês românticos acabara por se tornar, também, um clichê. 

Elas quiseram levar essa idéia para o universo das fanfics, talvez criar um projeto que estimulasse o uso desses clichês, mas com uma abordagem nova e surpreendente, mostrando que aquele enredo já corriqueiro pode ser sim escrito de uma forma interessante. A idéia não rendeu muitos frutos, mas continuou presente na mente das duas. E eis que a Marcia resolve organizar essa antologia, nos brindando com contos fantásticos. Natalia permitiu que a Marcia realizasse o projeto. 

Os contos trazem o que foi inicialmente proposto: clichês inovadores. Contraditório? Pode parecer, mas não é. O amor em si é cheio de clichês, com suas declarações, floreios (às vezes, em pouca quantidade, em outras não). A inovação, por assim dizer, ficou por conta das situações em que alguns contos se desenrolavam e a narrativa.

Amor à primeira vista, por exemplo. Pra que clichê maior que esse, gente? Nina Spin o retrata da forma mais fofa e melancólica possível em seu conto No Silêncio de um Retrato. A autora, novamente, traz uma protagonista mais introspectiva (como em Sutilmente), trouxe, também, a sua poeticidade de sempre para os diálogos, algo que a Nina sabe encaixar perfeitamente, sem parecer fora de contexto e forçado. Amei a forma como a autora mostrou o amor crescendo gradativamente, até chegar numa explosão destruidora, que pode ter um final feliz ou não.  

O conto Doloroso, Difícil, Devastador de Lenon Fernandes nos apresenta um personagem que, em uma conversa entre amigos, descobre a vontade, por muitas pessoas inconfessável, de viver um amor doloroso, difícil, devastador, daquele que é quase um drama mexicano, nos faz chorar em posição fetal. No entanto, ele encontra-se em um relacionamento sério com uma pessoa que conhece desde a infância. É um amor que, digamos, tornou-se “calmo” aos poucos, mas que nem por isso há falta de amor. A forma como o autor resolver narrar a história foi bem diferente para mim, pois nunca havia lido nada escrito dessa maneira. Lenon narra inserindo o leitor na história, algo assim: “Vocês cresceram lado a lado, na mesma escola, na mesma turma. Conversavam de vez em quando, faziam trabalhos juntos” (página 37). O ruim é que a palavra “você” repete-se bastante, todavia o conto é tão legal quem nem me incomodei tanto com isso, sem contar que me senti uma personagem com essa sua narração, o que é muito bom, ajuda a entender algumas ações dos personagens. 

Sobre a finitude do que deveria ser para sempre, conto da Marcia Dantas, quase me fez chorar. A autora retratou o início do que poderia ser uma situação muito triste, mas a protagonista tratou logo de dar um basta nessa situação, o que muitas mulheres deixam para depois ela fez logo, uma verdadeira lição de como agir diante de uma situação como aquelas. E, sim, eu tô fazendo suspense com o conteúdo do conto porque não quero dar spoiler, leiam e entendam do que estou falando. A autora narra a história de forma detalhista e descritiva, mas sem exageros, as descrições são só suficientes para fazer com que o leitor visualize a cena. Entre as descrições, Marcia coloca reflexões da protagonista, aos poucos a história começa a se formar em nossa cabeça, e só então percebemos o motivo de suas ações e conclusões à respeito da vida. 




A capa é bem simples, se fosse uma capa mais rebuscada creio que seria melhor, mas ainda assim ela possui o seu encanto. A fonte está agradável, pena que as folhas não são amarelas. Ao final de cada conto, temos uma pequena biografia do autor em questão.

Gente, fica bem difícil falar de todos os contos, então farei uma síntese dos outros contos. Será um resumo bem direto da essência dos contos que ainda não comentei. Com meu comentários, creio que vai parecer que todos são bem clichês e, bem, eles podem até ser, mas são inovadores, só lendo essa coletânea de contos para entender esse lance de “clichê inovador”. Como diria a minha vozinha, aí vai o sumo

A separação - Amauri Chicarelli: mostra o quanto o casamento, às vezes, deixa alguém acomodado, esquecendo-se que a conquista de um amor precisa ser feita todos os dias, a cada segundo. A situação piora quando a outra pessoa não aceita viver acomodada. 

O livro esquecido - Priscila Louredo: Outro conto que nos traz um protagonista acomodado, sem vontade de mudar a sua rotina. Ficamos torcendo para ele fazer algo diferente, falar com a guria que sempre senta ao seu lado no metrô. Será que ele vai desacomodar? 

O ponto de ônibus – Ana Paula Chicareli: Novamente, temos um protagonista acomodado demais com a sua vida, daquele tipo que faz discurso, mas não segue nada do que diz.

O lado escuro da lua –Ana de Oliveira: esse conto expressa perfeitamente as dificuldades de viver um amor fora dos padrões e até que ponto o medo de mostrar ao mundo essa amor fora dos paradigmas pode atrapalhar, e muito, a sua vida. 

A Carta de Bárbara – Diana Lara: A esperança de não perder quem se ama, mesmo a amor tendo começado de uma forma tão errada, é a maior de todas, a ponto de não enxergarmos o óbvio. 

Decompasso – Liv Cerveira: Conto muito fofo. Temos um amor fora dos padrões e todas as suas dificuldades, no entanto nunca se abadona quem se ama, mesmo todos dizendo que esse amor não é válido. A letra de Longe aqui (Jay Vaquer) é perfeita para essa história (sério, encaixa muito bem).






Entre Duas Vidas – Mariana Dantas: sobre esconder seu verdadeiro eu e o quanto isso machuca não só você, mas todos ao seu redor. 

Familiar Demais – Tiago Delfini: Amizade versus relacionamento? Eis a dúvida. Manter a amizade ou ter peito para encarar ago novo? Aliás, vale à pena criar coragem para viver esse amor, será que irá durar? Será que essa mudança no relacionamento só vai afastar as duas pessoas?  

Entre certos e errados – Taylin Moriguti: arriscar uma felicidade que a maioria dos filmes vendem ou ir com tudo para algo novo, arriscado, mas que parece tão melhor?  

FICHA TÉCNICA
Sinopse: "Todas as cartas de amor são ridículas." - Álvaro de Campos. Cartas de amor são escritas por todos os apaixonados ao longo do tempo. Sua natureza romântica é muitas vezes considerada cafona, extravagante e risível. Porém, enquanto houver o amor, elas continuarão a ser escritas. Afinal, ridículos são aqueles que não amam. Os talentosos autores da coletânea refletem sobre o lado paradoxal e insensato dos sentimentos profundos da alma, e demonstram, através de uma abordagem inovadora e envolvente, os tão conhecidos contos de amor. Ridículas Cartas de Amor é uma seleção singular de histórias irreverentes, que tiram o cotidiano do lugar-comum e surpreende. Como o amor.
Adicione ao skoob aqui
Título: Ridículas Cartas de Amor 
Organizadora Marcia Dantas
86 páginas
Ano: 2015
Formato de leitura: impresso
Editora: Darda


MARCIA DANTAS nasceu e reside na cidade de São Paulo. Formada em 2012 em História - Licenciatura Plena pela UNIFAI, atua como professora da disciplina da rede de escolas estaduais. Afeita a músicas e nerdices em geral, não resiste a um bom livro e uma trilha sonora inspiradora – rock, de preferência. Também é apaixonada por muitas e muitas séries.
Tem na escrita sua paixão desde os mais tenros dias. No entanto, se considera praticante desde 2008, quando conheceu e mergulhou no mundo das fanfics que muito ensinaram sobre essa arte. Reescrevendo Sonhos é sua primeira publicação. 
Twitter | Facebook | Blog | Fanpage | Skoob

Como sou marketeira #SQN, vou divulgar novamente: tem sorteio rolando de dois exemplares desse livro + marcadores. Participe AQUI

06/02/2016

(Primeiras impressões) Deixe-me Entrar - Letícia Godoy


Em uma ação conjunta com a autora Letícia Godoy, eis que estou aqui compartilhando as primeiras impressões que tive de Deixe-me Entrar, romance que estará a partir do dia 13 em pré-venda no site da editora Arwen.

Logo na apresentação da obra, Letícia já me envolve com a história do nome da protagonista, Julianne Ipswich, que na verdade, era o nome de um perfil fake que a autora criou no Orkut, a fim de fugir um pouco da sua realidade e ser outra pessoa, pois a mesma sofria de depressão. Confesso que me identifiquei um pouco com o bullying que a autora sofreu, acarretando em um caso de depressão, só que eu não criei um perfil fake, até porque nem tinha acesso à internet naquela época, fugia da minha realidade de outras formas. Tô falando demais de mim, bora voltar pro foco...

Sabe quando os autores colocam aquele prólogo que deixa qualquer um envolvido com a história? Pois é, temos um desses em Deixe-me Entrar. Nessas páginas iniciais, temos contado com Gerard, um vampiro que está completamente sem saída, pois sua amada Jeanne havia sido condenada a queimar viva por ser uma bruxa, na época da Inquisição. As bruxas estavam sendo condenadas por algo que os vampiros haviam feito: retirar todo o sangue de uma jovem. A única esperança para o casal era que Jeanne reencarnasse e ele a encontrasse.

Após esse prólogo, conhecemos nossa protagonista, que vive nos dias atuais, Julianne Ipswich. Ela estuda em um internato, na suíça, onde tem como pais do coração sua professora de história, Eliina, e seu marido, Jansen. Seus pais biológicos a deixaram há sete anos lá, comunicando-se apenas por cartas e telefonemas, esses só no aniversário. Julianne era uma garota calada e introspectiva, resultado dessa falta de atenção de seus pais, ela nunca havia entendido o motivo de tanto descaso para com ela. A jovem havia terminado seus estudos fundamentais e iria voltar para a casa dos seus pais no próximo verão, deixando para trás seus poucos amigos e seus pais do coração. 

"Estar com seus pais e irmãos sempre foi o seu maior desejo, mas nunca pensou que voltar para “os seus” implicaria em deixar muito dos “outros seus” para trás também!" Pag. 19 

Seus pais adotivos fazem uma revelação bombástica antes de verem sua filha partir para uma nova vida. Depois do segredo revelado, eles aconselham Julianne a não confiar em ninguém e a alertam de estar em grande perigo, mas, é claro, os dois não falam o motivo do aviso, afirmam que ela precisa descobrir tudo por conta própria. O mistério ficou no ar e eu estou roendo as unhas para saber do que se trata. Minha curiosidade é tanta que chego a estar aflita. 

Confesso que simpatizei imediatamente com a protagonista. A menina tem uma personalidade forte, respostas rápidas e não soube fingir estar feliz após reencontrar seu pai biológico sete anos depois, Julianne mostra tudo o que sente, toda a dor e sentimento de abandono (é nois, mana!). 

“— Sempre? Não me lembro disso nos últimos sete anos. Não gosto nem do título, nem do nome! As pessoas nunca se aproximam de princesas por pensarem que são egoístas e esse nome, nossa! Para começar Julianne é horrível e July me faz lembrar o feriado de quatro de julho então, por favor! — insistiu, revirando os olhos. — Chame-me de Anne ou de Bell. Minhas amigas do internato me chamavam de Srta. Bell e eu gostava muito!” Pág. 31

A linguagem utilizada no prólogo é bem condizente com a época, substituindo o “você” pelo “tu”, o que já deixa tudo mais rebuscado e formal, o vocabulário empregado trouxe mais verossimilhança para a obra.  A escrita em terceira pessoa não impossibilitou de estarmos em contato com cada sentimento e pensamento de Julianne, gosto bastante quando os autores se apegam menos a descrição e mais ao que se passa no íntimo do personagem. 

Tendo como base esses dois capítulos e o prólogo, posso dizer que a obra de Letícia Godoy é rica, cheia de mistério e muito romance. Soltei um “ah, não!” quando percebi que a degustação da obra havia acabado. Tive vontade de sentar em um local confortável e devorar cada página de Deixe-me Entrar, pena que ainda não possuo meu exemplar completo, o que espero ser por pouco tempo. Com essas 32 páginas que li, recomendo a leitura para quem curte histórias com seres sobrenaturais, um bom romance e tudo o que cerca esse universo sombrio dos seres fantásticos.  

Não posso terminar essa resenha sem antes elogiar o criador dessa capa: “cê arrasou, tá?”

Lembrando: o livro vai estar na pré-venda no dia 13 de fevereiro, no site da editora Arwen, curtam a fanpage do autora e adicione o livro a sua estante no Skoob. Um abraço e até mais!  

FICHA TÉCNICA
Sinopse: Julianne Ipswich cresceu confinada no internato Le Rosey, afastada de sua família com o pretexto de receber uma educação de qualidade. Este fato sempre a incomodou e o maior desejo de Julianne era descobrir a verdade para que a família tenha a afastado, uma vez que não ficou convencida de que a preocupação com os seus estudos seria o único motivo. Ao completar 15 anos, ela retorna para Stone Forest, a cidade de seus pais, e, aos poucos, acaba descobrindo mais do que gostaria de saber. Cercada por muito mais perigos e desafios do que ela jamais pôde imaginar que surgiriam em sua vida, Julianne precisará desvendar os mistérios de seu passado e preparar-se para os desafios do futuro rapidamente se quiser sobreviver. As vozes se misturam, os olhos sedentos nunca param de espreitar e o perigo está onde ela menos imagina. Será que Julianne conseguirá enfrentar tudo isso?
Adicione ao Skoob aqui
ISBN: B00NTBOC1K
Ano: 2016 
Páginas: 330
Edição 1
Editora: Arwen
Gênero: sobrenatural


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...